Flamenco, além de arte nos ajuda a cuidar da saúde!

Já pensou em fazer algo diferente que melhora seu desempenho como um todo?
Coordenação motora, memória, condicionamento físico, postura…
E com muita arte, força, e feminilidade?!
O Flamenco explora o melhor que existe em você, sua força, sua expressão, sua beleza!

Além de queimar calorias e ajudar você a manter a forma!

Nos ligue e agende sua aula experimental, que é nosso convite!
Nosso telefone: (11) 3884.4430
Fale com a Ana Paula!

Ou nos escreva: studio@anaesmeralda.com.br!

Aguardamos a sua visita!
Alameda Sarutaiá, 113-B – Jardins
(próximo ao metrô Brigadeiro, entre a Alameda Joaquim Eugênio de Lima e a Av. Brigadeiro Luis Antônio)

Tabela de horários - Flamenco 2014

Tabela de horários – Flamenco 2014

Ana Esmeralda, mais um ano de muita vida!

Dona de um legado artístico extenso, a Bailarina e Atriz Ana Esmeralda completou mais um ano de muita vida.

Nesta segunda-feira o “Studio Ana Esmeralda”, comemorou aniversário da estrela com muito carinho e por meio de muitas homenagens.

Para o festejo os guitarristas Jef de Lima e Davi Caldeira tocaram, cantaram e bailaram animando convidados e aniversariante.

Em uma das homenagens as professoras de Flamenco Ana Cristina Marzagão e Bruna Ricardi, acompanhadas de Adriana Passarelli relembraram uma de suas coreografias e adaptaram  o “Zorongo Gitano” de Garcia Lorca.

O BalletAdultoKR também a homenageou com a coreografia Tributo – “Leyenda del beso”.

Esmeralda retribui, e do alto de seus anos mostrou como fez seu nome no mundo da dança, bailando com alegria e paixão que a mantém viva no flamenco.

Para o ano de 2014, o Studio Ana Esmeralda irá abrir novas turmas no período noturno para dar continuidade ao ensino do Flamenco, seguindo o propósito de divulgar e difundir a dança flamenca no Brasil.

Imagem

Ana Esmeralda recebe “por alegrias” Ana Cristina Marzagão!

Imagem

Imperdível!
Venha bailar flamenco conosco!

Turma de intermediário
Segundas e quartas das 19h30 as 20h30

Agende sua aula experimental (11)3884.4430
studio@anaesmeralda.com.br

Venha! Estamos te esperando!

Studio Ana Esmeralda abre novas turmas em 2013!

Venha conhecer a força e a expressão da Dança Flamenca!

Novas turmas de aulas de flamenco para iniciantes com Ana Esmeralda, Bruna Ricardi e Fernanda Borgo.

Segundas e quartas às 19h

Terças e quintas às 20h

Sábados às 10h

Studio Ana Esmeralda, quando a arte, a força e a expressão se unem com a técnica de uma grande maestria!

Ligue para agendar sua aula experimental e perguntar sobre outros horários!

(11) 3884.4430

ImagemImagem

Legado. Pioneirismo. Amor. Uma vida inteira dedicada ao FLAMENCO.

Os Pioneiros do Flamenco

Ao adotar o Brasil como pátria, Ana Esmeralda, Pepe de Córdoba e Laurita Castro contribuíram
para o desenvolvimento e divulgação da dança flamenca no País
Por Giedre Moura
Eles deixaram a Espanha e chegaram ao Brasil na segunda metade do século 20. Nunca perderam o sotaque e dedicaram suas vidas a uma dança de expressividade marcante: o flamenco. São considerados os legítimos representantes da “Geração Carmem”, uma alusão aos filmes da trilogia de Carlos Saura – Bodas de sangre (1981),Carmem (1983) e El amor brujo (1986) -, que ajudaram a propagar esta arte pelo mundo.

Pergunte a qualquer professor de flamenco brasileiro de mais de trinta anos se ele já teve aulas com Ana Esmeralda, Pepe de Córdoba ou Laurita Castro. A possibilidade de ouvir um sim é de quase 100%. Nesta reportagem sobre os pioneiros da dança flamenca no Brasil, a Revista de Dança resgata o passado desses trêsbailaores - como preferem ser chamados – cujas histórias se confundem com a história do flamenco no Brasil.

A eterna Diva

Foto: divulgação

Com forte veia artística, Ana Esmeralda atuou também no cinema

Com forte veia artística, Ana Esmeralda atuou também no cinema

Fotos: divulgação

Ana Esmeralda já formou muitas bailaoras de flamenco no Brasil

Ana Esmeralda já formou muitas bailaoras de flamenco no Brasil

Fotos: divulgação

Em cena de Quem matou Anabela?Em cena de Quem matou Anabela?

Aos 83 anos de idade, Ana Esmeralda não apenas dá o nome – e inspiração – à escola que fundou em 1986. Sua presença vai além das dezenas de fotos penduradas na parede que contam um passado artístico, marcado pela dança e também pelo cinema. Ativa, ainda dá aulas e participa de todas as apresentações de dança da escola. “O flamenco é a minha vida, quero ensinar a vida toda. Não me canso e jamais pensei em parar”, diz, em tom de comemoração.

Nascida em Sevilha, na Andaluzia, o berço do flamenco, Ana Esmeralda sempre sonhou em ser artista. Além do clássico espanhol, os primeiros passos no flamenco vieram de forma quase natural, com as tradicionais sevilhanas, dança das festas populares local. A forte veia artística também pôs Ana Esmeralda no mundo do cinema, tendo atuado em treze filmes ao longo de sua carreira.

E foi justamente o cinema que trouxe Ana Esmeralda para o Brasil. Em 1954, veio para cá como representante da Espanha durante o I Festival de Cinema de Porto Alegre. Apaixonou-se pelo País e também pelo cineasta Mario Audrá, com quem se casou. Ao lado de Audrá, protagonizou o filme Quem matou Anabela (1956), que tinha no elenco os atores Carlos Zara e Eva Wilma. Também esteve no famoso São Paulo S/A (1965), de Luís Sérgio Person (1936-1976), no qual contracenou com Walmor Chagas.

Como era comum na época, quando os filhos nasceram, Ana Esmeralda se afastou dos palcos, das telas e da dança. O resgate viria com um convite de Pietro Maria Bardi (1900-1999), um dos criadores do Museu de Arte de São Paulo (MASP), para que ela dirigisse um espetáculo da dança espanhola. “Como ninguém dançava flamenco no Brasil naquela época, minha mãe chamou bailarinas do clássico e ensinou a técnica. Montou esse primeiro espetáculo e não parou mais. No começo dava aulas em casa, depois montou esta escola”, conta Marco Audrá, filho da bailaora, administrador do Studio Ana Esmeralda.

Ana Esmeralda já perdeu a conta de quantos alunos passaram pela sua escola e não esconde a satisfação em ver que muitas das suas hoje “concorrentes” foram formadas por ela: “Temos hoje grandes baialoras de flamenco em São Paulo e muitas delas começaram comigo. O flamenco evoluiu muito nos últimos trinta anos, ficou mais moderno. Tenho a sorte de fazer parte dessa história”.